jusbrasil.com.br
6 de Março de 2021
    Adicione tópicos

    Em viagem, ex-presidente não comenta decisão

    Procurado ontem pelo Estado, o Instituto Lula informou que o ex-presidente está viajando e que não iria comentar a informação de que o Ministério Público Federal vai investigar as acusações de Marcos Valério.

    No mês passado, quando o teor do depoimento foi revelado pelo Estado, o ex-presidente classificou as declarações do em presá rio como "mentira". Na mesma época, o ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, chamou de "desespero oportunista" e "uma indignidade" as declarações de Valério ao Ministério Público. Já a presidente Dilma Rousseff classificou como "lamentáveis" as declarações do empresário mineiro, dadas após ele ser condenado pelo Supremo Tribunal Federal. Paulo Okamotto, acusado por Valério de ameaçá-lo de morte, também afirmou que o depoimento de Valério prestado no dia 24 de setembro à Procuradoria-Geral da República era fantasioso. "Eu ameacei ele de morte Por que eu vou ameaçar ele de morte", reagiu Okamotto. "Está nos autos que eu ameacei ele de morte Duvido! Duvido que ele tenha dito isso!", completou o presidente do Instituto Lula.

    Tão logo a existência do depoimento de Valério foi revelada, ministros do Supremo Tribunal Federal, que ainda não haviam concluí doo julgamento do mensalão, chegaram a afirmar, informalmente, que as acusações de Valério deveriam ser relativizadas,

    pois o empresário era um "jogador". O presidente do Supremo, Joaquim Barbosa, porém, afirmou que tudo deveria ser investigado pelo Ministério Público.

    Após a conclusão do julgamento, em dezembro, a direção do PT se reuniu e elaborou um documento no qual sugeriu que as declarações de Valério integravam um movimento de "setores conservadores" que tinham como objetivo central atingir a honra de Lula pai a associá-lo à coraipção. "Sabe-se que denúncias sobre coraipção sempre foram utiliza-das pelos conservadores no Brasil para desestabilizar governos populares", dizia o documento.

    "Vargas foi levado ao suicídio (em 1954) por insidiosa campanha de forças políticas, meios de comunicação e outros agentes inconformados com sua política nacionalista e de fortalecimento do Estado. Dez anos depois, por razões semelhantes, esses mesmos atores se reuniram para derrubar o governo João Goulart e impor 20 anos de ditadura do País." (O Estado de S. Paulo)

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)